Correr na rua ou na esteira? Qual a diferença?

Correr é uma atividade prazerosa. A prática regular da corrida estimula a produção de endorfina, substância natural que aumenta a sensação de bem-estar e melhora a qualidade de vida.

Muitas pessoas se perguntam se é melhor correr na rua ou na esteira. Apesar de parecerem a mesma atividade, correr na academia ou ao ar livre têm tantas particularidades que são quase esportes distintos.

Correr na esteira possibilita controlar a velocidade, a inclinação e a distância. Além disso a maioria das esteiras absorvem melhor o impacto da pisada, já que oferecem um piso plano e preparado para quem está treinando.

Também existe o fator ambiental, em que na esteira não há a possibilidade de uma série de interrupções que podem acontecer quando se treina ao ar livre: poças de água, interferências externas de outros esportistas, chuva e calor excessivo, por exemplo.

Porém, um ponto a se levar em consideração, é que na esteira não é o corredor que empurra o solo para trás e, sim, o equipamento.

Isso pode levar ao desenvolvimento de uma mecânica de corrida incorreta, em que a pessoa literalmente saltita durante a corrida, o que é contra produtivo do ponto de vista articular e ruim para desempenhos em rua.

Já correr na rua traz a sensação de liberdade por conta do ambiente diferente, o que quebra a monotonia. No entanto, é preciso escolher um lugar seguro para se exercitar, pois o risco de lesões é maior por conta do solo irregular.

A atividade praticada na rua tem maior gasto calórico, porque é exigido mais trabalho muscular devido à resistência do vento e à variação do solo.

A corrida na esteira é mais indicada para pessoas com obesidade devido ao menor impacto e também a iniciantes, pois é mais fácil controlar o ritmo e o tempo da corrida.

Aos que possuem interesse em iniciar a prática da corrida de rua, precisam de orientação médica, pois estará expondo o corpo a condições diferentes da qual ele estava acostumado. Esses incômodos tendem a diminuir em um curto período de tempo com os treinos regulares e supervisionados por profissionais.

É importante ressaltar que, independentemente da escolha, deve haver acompanhamento profissional para evitar contusões e para que o treino atinja os resultados esperados.

Dr. Rodrigo Valente – Médico Ortopedista
Ultra Sports Science